Sociedade / fevereiro 19, 2015

Porque não uma doação pode salvar vidas?

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

Em época de carnaval, tudo é motivo pra folia, alegria, diversão, pular pelas ruas feito pipoca, nos famosos blocos, ou ir nos sambódromos acompanhar os desfiles das escolas de sambas, mas há também aqueles que correm desse folia toda e preferem o descansado e marasmo, enfim, existem gostos e folias para todos.

Carnaval sempre foi essa festa digamos “mundana” onde tudo mundo se diverte, festeja, e muitas vezes as pessoas nem sabe o porque. Afinal, sempre tem que ter algum motivo pra comemorar? Boa pergunta se fazer a um folião. As pessoas fazendo todo em bastante quantidade: dançam, bebem, transam, as vezes brigam, as vezes fazem as pazes, e depois tudo volta no mesmo ciclo. Quem ai não tem um amigo ou parente que faz aniversário em Novembro, pois é, avise ele que provavelmente foi por causa do Carnaval que ele veio a este mundo. A palavra carnaval é originária do latim,carnis levale, cujo significado é retirar a carne. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de enquadrar uma festa pagã. Deve ser dai que temos carne em “abundância” nessa época do ano. Bom, que quiser saber um pouco sobre o carnaval tem o link abaixo contando um pouco mais da origem do nosso amado/odiado Carnaval.

http://www.brasilescola.com/carnaval/historia-do-carnaval.htm

O fato é, que o carnaval apesar de ser a festa da alegria e diversão, é a festa dos excessos e da irresponsabilidade. Onde muita gente abusa de bebidas alcoólicas, passa dos limites e acaba se envolvendo em brigas, discussões, e acidentes. Prejudicando a vida de várias pessoas. Vidas que podem ser salvas por um simples gesto, que muita gente acha complicado ou simplesmente porque não entende e tem medo. O de doar sangue. Nessa semana em vez de pular carnaval foi até o Hemocentro da minha cidade doar sangue pela primeira vez. Nada contra quem estava na folia, até porque todos tem direito de se divertir, só quero chamar a atenção para esse post da importância que a doação tem e que na maioria das vezes as pessoas a ignoram.

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

O procedimento em si foi bem simples e rápido, minha doação não durou mais que dez minutos. Eu sempre pensei que levava uma vida encher aquela bolsa de sangue. Não deu tempo nem de tirar um cochilo naquela poltrona acolchoada reclinável. (Perdi minha chance).
Como foi a primeira vez tive que realizar todo um cadastro junto ao Hemocentro, passar por uma entrevista com médico, onde ele fez inúmeras perguntas sobre a minha saúde, algumas até eu diria, um pouco constrangedoras, mas necessárias.

Nos minutos em que estava fazendo a doação conversei um pouco com a enfermeira que me acompanhava e nessa conversa acabei sabendo o quão é difícil obter novos doadores, e mesmo as pessoas que são doadoras não mantêm uma frequência nas doações. São doadores-turistas, só vão aos bancos coletores de sangue pra conseguirem atestado médico e ficarem livres do trabalho naquele dia, ou para emendar com algum feriadão, o que aconteceu na segunda-feira, véspera do Carnaval. Muitas pessoas estavam fazendo doações para poderem emedar o feriado e ter mais tempo livre pra “pipoquear” por aí. Mesmo quando a pessoa vai fazer o bem, pensa primeiro no que vai lhe favorecer.

Existem também a dificuldade de divulgar mais sobre a doação, de fazer as pessoas ficarem mais informadas sobre o assunto e se conscientizarem a respeito. Por uma parte os órgãos responsáveis não realizam o devido empenho para que isso aconteça e por outro a população não se disponhe a conhecer e se interar sobre a campanha.

O seu sangue é universal, ele não distingue cor, religião ou orientação sexual. (Fonte: Divulgação/Google)

O seu sangue é universal, ele não distingue cor, religião ou orientação sexual. (Fonte: Divulgação/Google)

Quero com essa postagem, mostrar um pouco da minha experiência ao doar e tentar incentivar outras pessoas a fazerem o mesmo, pois nesse caso menos não é mais. Menos quer dizer menos vidas que podem ser salvas. E se mais pessoas tivessem a preocupação e a solidariedade em doar, com certeza menos vidas seriam perdidas. Todo essa lógica de menos e mais me fez pensar como nossas vidas são frágeis e podem de uma hora pra outra simplesmente acabar, e com isso também me fez pensar como muitas pessoas não dão o devido valor que a vida tem. Não a respeitam e não a preservam da maneira que deveriam, que acabam por causar sofrimento e dor as pessoas amadas.

Como somos mesquinhos o suficiente para não nos preocupar-nos que por mais que hoje, agora nesse momento estamos bem e “saudáveis”, amanhã você pode estar em uma cama de hospital precisando de ajuda. Então se uma mão lava a outra, porque não uma doação pode salvar vidas?

Obs.: Uma pequena observação nessa postagem é para as pessoas que quiserem e puderem fazer doação de sangue, abaixo tem um link do Hemocentro de Campinas explicando tudo que é necessário para realizar a coleta. E você que não é Campineiro e não fala “verrrde” nem “porrrta”, procure o hospital mais próximo e se informe. Vamos doar!

http://www.hemocentro.unicamp.br/

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

por Hélio Santos
Sentimentos / fevereiro 16, 2015

Afinal, o que é o amor?

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

Ah, o amor.

Palavra tão pequena, mas enorme no seu significado. Poetas, músicos, escritores, filósofos, sociólogos, antropólogos, até seus pais tentaram mais ninguém consegue ou conseguiu entender completamente o que significa o amor.

A meu ver, o que nos resta é senti-lo, vivê-lo, compartilhá-lo com o mundo, porque não?
Ou você é daqueles que quer o amor apenas para você? Uma criança mimada e egoísta que ainda não aprendeu que somos mais felizes quando compartilhamos.

Não tenha vergonha de dizer que não sabe amar, pois ninguém sabe. Estamos sempre aprendendo e melhorando o seu entender e o seu fazer acontecer. Tenha vergonha de não ter sentido o amor, pois meu caro, você não saber o que está perdendo. Não digo apenas no sentindo de perder ou ter o amor de um namorado (a) ou esposo (a), mas ter o amor, de um pai, de uma mãe, o amor do próximo. Assim como ensinou Jesus nos ensina, “ama teu próximo como a ti mesmo”, tem se tornado difícil missão nos dias de hoje. Pois muitas vezes temos dificuldade em lidar com as pessoas que estão no nosso dia a dia, o que dirá amar o nosso próximo.

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

Tarefa difícil que o mestre nos deu não? Acredito que em partes sim, pois se verdadeiramente queremos ser pessoas melhores e mais humanas o sacrifico é válido, porém não é fácil. Sentir um sentimento tão forte como o amor, tem que ser algo verdadeiro, sincero, e em um mundo onde muitas vezes as pessoas são consideradas e valorizadas por aquilo que possuem e não pelo que são, amar as pessoas com todas as suas fraquezas, defeitos e incertezas não é tarefa fácil.

No auge dos meus 21 anos, não aprendi e não sei descrever com clareza o que é amor. Até porque estou sempre aprendendo mais sobre ele, e sobre como as pessoas o enxergam. E isso, com certeza, vai ser um eterno aprendizado. Aprendizado esse que tem seus momentos de maiores esclarecimentos e que mais marcam o seu sentido. Como por exemplo ouvir um “eu te amo” apaixonado de quem se ama pode ser mais gratificante do que aquele aumento no salário que você espera a meses. Receber um afago da sua mãe ou pai quando não se está nos melhores dias e ouvir que tudo vai ficar bem, pode ser bem mais motivador do que assistir ou ler livros de autoajuda.

Simplesmente sentir o amor é algo incrível, dai talvez a dificuldade de explicá-lo, tamanha a sua magnitude de significados.

Apenas uma coisa me faz ficar triste quando tento entender o amor: das pessoas que não conseguem senti-lo ou não o querem. Pois se Deus nos fez para vivermos em abundância e vivermos para amar o nosso próximo como a nós mesmos, porque alguém não iria querer senti-lo?

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

por Hélio Santos
Sociedade / fevereiro 11, 2015

Conhecendo lugares, você se conhece.

Viagem MG

No último final de semana fiz uma viagem até a cidade mineira de Poços de Caldas. Pra conhecer um pouco mais da cidade entre no link abaixo:

http://www.minasgerais.com.br/destinos/pocos-de-caldas/

Foi uma viagem curta de apenas dois dias, mas nesse tempo pude ver e fazer várias coisas. Foram situações bem novas pra mim, a primeira de pegar a estrada e dirigir por um pouco mais de 2:30 hrs da minha cidade (Campinas-SP) até o destino, foi algo que nunca tinha feito antes e me ajudou muito a saber como dirigir é bom, mas cansa! Uma outra situação que me chamou a atenção ao longo da viagem, foi como o nosso país é tão privilegiado por sua diversificação. Os habitantes da cidade, desde a recepcionista do hotel até um estranho que passam na rua, todos, sem exceção sempre estão sorrindo, com uma aparência de pessoas calmas e tranquilas e sempre dispostas a terem um “dedinho de brosa”.

O contato com a natureza é inevitável, é como se a cidade fizesse parte de toda natureza que a cerca, como se ambos fossem uma coisa só. Desde as inúmeras praças repletas de árvores, pequenas plantas, um gramado sempre verde e bem cortado. Até o morro que cerca a cidade por onde passa o teleférico com rumo ao topo da serra dando um panorama de toda a cidade.

Porém ao mesmo tempo que a cidade tem toda essa ligação com a natureza que a cerca, ela possui muito de uma típica cidade de centro urbano. Muito comércio, pessoas andando freneticamente pelas ruas da cidade, seja indo trabalhar ou voltando, indo a escola, somente os turistas mais relaxadas que mantém os olhos as paisagens e esquecem um pouco da correria do dia a dia. Mas como bom observador da vida urbana, isso não me escapou aos olhos. Como qualquer outra cidade, a desentendimento entre motoristas no trânsito, infrações, e nos horários de pico um fluxo intenso de carros. Por algumas vezes tive a sensação de estar no centro de Campinas ao ver essas situações, mas logo me lembrei da onde estava ao escutar aquele sotaque mineiro inconfundível.

Poços de Caldas, acabou me surpreendendo positivamente, não digo apenas por toda a sua urbanização, o que eu realmente pensei que seria bem pouca, mas um fato pré-conceito de quem vive em “cidade grande” e vai para interior, acho que por ser uma cidade menor do que a natal ela será de um marasmo enorme. Pelo contrário, se mostrou de uma grande e diversa gama de opções, claro que não são as mesmas que estou habituado em Campinas, mas me permitir experimentar essas novas a diferentes opções de lazer, foram algumas das melhores experiências que pude ter.

As pessoas, a paisagem, a história da cidade e todo o valor que os habitantes dão a essa história, são coisas que na minha cidade natal ou são bem raras ou não existem. Já ouvi várias vezes que viajar enriquece o ser humano, fazendo-o refletir sobre diversas coisas em sua vida, e assim buscando ser melhor. Comigo não foi diferente, e pretendo fazer essas experiências cada vez mais, e, com certeza, recomendo a todos que o façam. Conhecendo lugares, você se conhece.

Algumas imagens do meu desbravamento:

Viagem MG - 01 Viagem MG - 02

Viagem MG - 04

Viagem MG - 03

Viagem MG - 05

por Hélio Santos
Sociedade / fevereiro 09, 2015

A antiga arte de escrever

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

As vezes, só o fato de escrever relaxa, me deixa leve. Como se as palavras que vão saindo pela tinta da caneta (ou pela tela do computador) fossem esvaziando meus pensamentos e as deixando registrados em um pedaço de papel (ou documento do word). É como se fosse uma transferência, mas,em alguns dias nem sempre essa transferência é bem sucedida e em outros ela demora muito tempo para acontecer, em certos momentos tempo demais e isso me irrita um pouco. O sentimento de frustração toma conta, essa é a hora de parar, tomar uma xícara de café forte, ouvir uma música, ficar em devaneios nos meus pensamentos até sentir que é o momento de recomeçar, quando menos se espera, lá estão as palavras, formadas diante dos meus olhos, e antes que perceba o texto está pronto. Nem sempre a satisfação vem de imediato, ainda mais sendo auto crítico da forma que sou, mas depois de ter minha briga interna, consigo olhar um texto e dizer: “Agora está pronto”. E essa é uma das melhores sensações, a de dever cumprido, de trabalho bem realizado.

E acredito que esse seja um dos motivos pelo qual escrevo. De fazer algo de que gosto e que considero fazer da melhor forma possível. Claro que não sou o melhor nisso, (e nunca vou ser), mas saber que assim como outras pessoas eu também consigo é algo realizador. Chega a ser até um pouco terapêutico, ter um lugar aonde se possa “descarregar” os sentimentos, as angustias, as duvidas, pensamentos, reflexões e convicções. Poder dividir isso com outras pessoas e entrar em debates sobre diversos assuntos, saber da opinião de outras pessoas e se identificar com elas é algo que tenho a oportunidade de realizar quando escrevo.

Acho que nunca vou conseguir chegar em um consenso do que é escrever de fato, e a importância que isso tem na minha vida. O ser humano está sempre em constante mudança, assim como tudo aquilo que o cerca. Mas, acredito que escrever sempre será fundamental na minha vida e algo que jamais quero parar.

A antiga arte de escrever é isso, as vezes complexa, as vezes simples. As vezes misteriosa, as vezes fácil de ser desvendada, as vezes parece que nada vai se encaixar e quando menos se espera, lá estão as palavras, trazendo sentimentos e sentido a ideias que se fosse ditas não seriam expressadas da forma que são apenas…escrevendo.

por Hélio Santos
Projeto 6 on 6 / fevereiro 06, 2015

Projeto – 6 on 6

Olá Urbanos!

Quem acompanha o blog a algum tempo sabe que as postagens normalmente acontecem de segunda e quarta. Bem, hoje estamos abrindo uma exceção. Estou participando de um projeto fotográfico muito legal chamado “6 on 6”. Pra quem não conhece explico:  o 6 on 6 consiste em 6 blogueiros postarem 6 fotos todo dia 6 de cada mês. Cada mês pode ter um tema especifico ou não. Nesse mês, decidimos que o tema será livre, então eu decidi postar fotos de coisas que ando fazendo nas férias e que pretendo concluir nelas. Vamos as fotos:IMG_0883IMG_0884

IMG_0885

IMG_0886

IMG_0887

IMG_0888

1 – São três livros que pretendo ler nessas férias. Muito? Acredito que não, pra quem já leu a trilogia Jogos vorazes em duas semanas três livros em 30 dias não é tanto assim.

2 – Parece meio retrô mais eu gosto de escrever não só em uma tela do word, mas escrever com papel e caneta é algo que ainda cultivo e gosto. Sinto que essa prática tem se tornado algo que está ficando extinto e me sinto meio que um mestre samurai que aprendeu uma técnica antiga que poucos conhecem.

3 – Um dos meus maiores vicios nessa vida. Café é algo que sim me relaxa, e muitas vezes me da tranquilidade pra para, pensar e tomar certas atitudes.

4 – Tocar violão é algo que ando meio enferrujado mais pretendo retomar nas férias, a música sempre fez parte da minha vida e resgatar isso é muito bom.

5 – Estudar inglês tem se tornando algo prazeroso e ao mesmo tempo desafiador pra mim, sempre vi o inglês como algo distante na minha vida e agora que tenho ele praticamente todos os dias, sinto que perdi muito tempo e deveria ter começado bem antes.

6 – Por último mais não menos importante, o maior prazer de estar de férias é descansar claro. Saber que não tenho hora pra acordar nem pra dormir, que posso passar o dia vendo filmes, ou na internet com certeza não tem preço!

Bom, é isso. Quero deixar bem claro que não sou nenhum profissional (é claro que já perceberam isso pelas minhas fotos), é apenas uma maneira de mostrar um pouco mais de mim. Espero que tenham gostado das fotos, pra mim é meio complicado mostrar tanto da minha vida, mas ao mesmo tempo é bom dar essa abertura para que outras pessoas possam me conhecer melhor.

Até o próximo mês com uma nova postagem e abaixo estão os blogs das meninas  que estão no projeto comigo, visitem!

Bárbara: www.cafecombabis.com.br
Mila: http://rainhadodrama.com
Bianca: www.apenascoisinhas.com
Karol: www.infinitanowhere.com
Marianne: http://meninadepalavra.com

por Hélio Santos
Sentimentos / fevereiro 04, 2015

Jogando videogame

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

Dizem que os homens não são bons observadores como as mulheres – desconfio muito que quem disse isso foi uma mulher – mas realmente isso é uma verdade. Pois se fosse diferente teria notado seus olhares para mim da maneira que noto agora. Levou tempo eu sei, com esse meu jeito sonhador de quem pensar longe e muitas vezes não está aqui, apenas de corpo presente. Mas perceber o quão especial sou para você me fez colocar os pés e a mente aqui, ao seu lado. Desejo a você eu já sentia, ensaiei e repeti diversas vezes várias conversas entre nós na minha mente. Mas, alguma coisa me impedia de me aproximar, talvez o desconforto por não saber o que falar e como falar, talvez por não ser tão observador e com isso ter notado seus olhares a mim. Mas por fim, estamos aqui, e perceber que também cultivava o mesmo sentimento por mim foi uma grata surpresa.

No começo, você sabe bem, foi difícil, para quem se acostumou a viver anos sozinho de repente compartilhar sua vida com outra pessoa não é algo tão simples de ser adaptado. Mesmo o meu desejo sendo latente, mudar minha postura e me adaptar a essa nova situação foi complicado. Eu já havia tentado fazer isso algumas vezes, mas nunca consegui, sempre apareciam empecilhos em ambas as partes. Discordâncias, resistência, ambos os lados querendo ser controladores e ninguém cedia. Mas, por algum motivo, que eu não sei o qual, com você é diferente. Com você, eu sinto a necessidade e a vontade de estar aqui, ao seu lado, todas as vezes que nos distanciamos sempre fiquei ansioso para o retorno, para te ver.

É como se eu sentisse que aqui, com você é meu lugar, lugar cujo qual eu não quero sair. Tenho o hábito de me autoavaliar constantemente, nas minhas ações, nas minhas escolhas e para onde elas me levam. E perceber que você tem me levado ao mundo e a um lugar totalmente novo pra mim, ter me mostrado o quanto eu ainda não conhecia da vida e o que ela pode nos proporcionar. Tudo isso pode parecer clichê e realmente é, mas um clichê que não cansa de se repetir e constantemente vem acontecendo e acontecendo. E porque isso? Porque as pessoas por mais modernas, mentes abertas e bem resolvidas que sejam, sempre buscam algo para que se sintam realizadas e principalmente felizes, tanto física e psicologicamente. Seja no trabalho, com alguma atividade física ou recreativa, e outras que encontram essa realização junto de outra pessoa. Dividindo momentos que se tornam inesquecíveis em suas lembranças.

E com você tenho e quero sempre ter esses momentos, aquela velha história de tampa da panela, talvez seja verdade. Mas em uma analogia mais moderna, acredito que seja como jogar uma partida de futebol no videogame. Você consegue jogar sozinho e é até legal assim, você se vira bem, e até consegue vencer várias partidas. Mas fica bem mais emocionante quando tem alguém para jogar junto, você se diverte mais, se sente melhor com isso, é como se a companhia da outra pessoa te desse animo para continuar jogando e jogando e não perceber o tempo passar.

Mais do que estar com alguém para te completar, estar com alguém para te fazer feliz e você feliz a ela, talvez esse, seja o segredo.

por Hélio Santos
Sociedade / fevereiro 02, 2015

Férias: O que fazer?

Fonte: divulgação/Google

Fonte: divulgação/Google

Enfim férias!
Pois é, as então sonhadas, esperadas e aguardadas férias finalmente chegaram. Olhando agora parece que o tempo passou muito rápido e que elas chegaram muito rápido, mas basta uma breve relembrada nos últimos meses pra perceber que sim, demoraram e muito pra chegar! Foram meses pensando e planejando o que queria fazer, e agora que finalmente chegaram não sei exatamente o que fazer. Várias coisas dependiam disso, algumas delas acabei me frustrando por não aconteceram e outras porque não aconteceram da forma que eu queria, mas enfim, esse tipo de coisa as vezes é inevitável de acontecer.

O fato é, que com as férias, vem sempre aquele dilema “Vou fazer tudo o que normalmente não faço, viajar, sair com os amigos, ver os filmes que queria ver e não tive tempo, ler aquele livro que a tempos estava parado na estante, voltar para a academia e descansar muito”.Isso tudo é muito lindo, muito bonito, mas, por fim, você acaba apenas dormindo muito, ficando com uma preguiça enorme a maior parte do dia, e volta ao seu trabalho com uns quilos a mais por não ter feito outra coisa se não comer e dormir.

Quebrar esse estigma de planejar mil coisas e não cumprir nenhuma é uma tarefa aparentemente difícil, mas estou aprendendo (demorou, mas finalmente estou aprendendo) que não é impossível, as únicas coisas necessárias são:

– Planejamento
– Disciplina
– Força de vontade

Essa última que acredito ser a mais difícil de obter dessa lista, pois hoje em dia, nos dessa sociedade sem freios, nos habituamos a ter tudo muito fácil, tudo muito prático, e nos esquecemos que certas coisas levam tempo, disciplina e muita força de vontade. E querer aproveitar ao máximo possível as férias sem arrependimentos do tipo “Nossa, as férias passaram tão rápido e não fiz nada do que havia planejado” ou “programei tanta coisa mais faltou tempo” depende muito da nossa força de vontade.

Fonte: Divulgação/Google

Fonte: Divulgação/Google

Não só na hora de programar as férias, mas em tudo na nossa vida, temos o habito de deixar pra depois ou só pararmos para analisar a situação depois de muito tempo perdido e desaproveitado. No cotidiano que vivemos hoje, onde queremos tudo pra ontem, e vivemos sempre com pressa, desperdiçar momentos tão importantes e cada vez mais raros como as férias não devem ser negligenciados dessa forma. Seja indo viajar, fazer uma dieta ou atividades físicas, visitar aqueles parentes que não vê a muito tempo, assistir aqueles filmes que adiou meses, ou apenas descansar, aproveitar as férias da melhor maneira possível deve ser o maior mandamento. É isso que pretendo fazer nos próximos 30 dias, e, com certeza, recarregar as baterias, pois o ano está apenas começando e muitas coisas estão por vir, estar preparado é essencial e fundamental.

Ótimo início de semana pra quem vai pra labuta diária, e para aqueles que assim como eu estão descansando, aproveitem, pois como todos sabemos passa muito rápido.

por Hélio Santos
Sociedade / janeiro 26, 2015

A Maturidade assusta.

É aquele dia mesmo. Aquele que você conhece bem, quando não quer fazer nada. Você irá preferir sua cama quentinha e macia, do que ficar batendo perna por ai. Haverá dias em que vai preferir aquele churrasco em família ou com os amigos, do que aquela balada barulhenta com pessoas estranhas, com desejos e ideias estranhas. Haverá momentos em que curtir o silêncio vai ser mais prazeroso do que ouvir uma música alta. Haverá situações em que uma xícara de café, boa música e o som da chuva batendo na janela te darão uma paz e tranquilidade que você nunca pensou em ter.

Fonte: Divulgação Google.

(divulgação/reprodução: Google)

E o mais engraçado e assustador, é perceber que quando se chega a fazer algumas dessas coisas, você descobre que está mais velho e que finalmente tudo aquilo que seus pais cansavam de dizer e você achava que era apenas sermão começa a fazer mais sentido.Você percebe que a vida não é aquele mar de rosas que pensava na adolescência, começa a perceber o quanto as pessoas são individualistas e mesquinhas e reflete como podemos ser todos assim? Você ainda tem esperança e la no fundo acha que será capaz de mudar o mundo como pensava e imaginava quando criança. O que é bom, pois te dará animo e força para sempre seguir em frente e alcançar seus objetivos.

Tudo isso é conclusão de uma coisa: Maturidade. Quando se atinge  esse estágio meu amigo, você percebe que passou de adolescente, rebelde sem causa, a adulto responsável e sério. Não que ainda tenha esquecido ou ignorado a criança que foi um dia, pois vai leva-la para sempre com você, mas vai perceber que outras coisas são importantes e naturalmente suas convicções e desejos vão ser outros. Essa é a evolução natural do ser humano. As vezes isso assusta, pois não saber como você vai estar daqui 10, 15 anos é um pouco estranho e confuso, mas quem dirá e quem saberá como você vai ser, será somente você..

Apesar do medo e da insegurança dessa vida adulta, como já escultei algumas vezes “A vida é para frente e para o alto” e ignorar isto é ignorar a si mesmo. A maturidade não é simples, não é fácil de se ter, não é fácil de chegar até ela e muitos menos de mantê-la. Mas também não é impossível e se usada sabiamente te transformará em uma pessoa melhor.

por Hélio Santos
Sociedade / janeiro 01, 2015

Só depende de você

divulgação/reprodução: Google.

A única pessoa capaz de realizar seus sonhos é você. (divulgação/reprodução: Google)

Parece que foi ontem que 2014 começou e agora ele já se foi. Nesses 3645 dias vivi as mais diferentes situações, senti os mais diferentes sentimentos, pensei que não iria conseguir resolver certos problemas, sonhei em realizar coisas que não realizei em 2013 e algumas ainda continuo sem realizar.

Realmente, foi um ano…diferente, único, assim como os outros foram, cada um trazendo diferentes situações e momentos. Aprendi que dizer sempre: “Mais um ano igual como outros, mais um dia comum” é algo que falamos sem pensar, porque cada dia, cada minuto que vivemos, são situações tão diferentes e  únicas, que nunca mais serão repetidas da mesma forma. Isso faz com que sejam especiais, únicas.

A chegada de um ano novo, abre as portas para novas possibilidades, novas conquistas, novos desejos. Porém, tudo isso só será capaz se uma única pessoa tiver a iniciativa necessária para que esses itens se realizem: Você.  É muito fácil sempre jogar a responsabilidade do nosso fracasso em alguma coisa ou pessoa, sempre tirando a carga de nossos ombros e distribuindo a terceiros. Eu já fiz isso, você já fez, todos nós já fizemos e muitas pessoas ainda vão continuar fazendo. Porque é um comodismo sem tamanho e uma crueldade com a vida que nos foi dada, pois acaba sendo desperdiçada com reclamações, mal-humor, descontentamento, frustração, etc. São sentimentos que quero (e vou) tentar evitar ao máximo em 2015, gastamos tempo demais  com coisas desnecessárias ou que não deveriam ter tanta importância e significância e deixamos o que realmente importa de lado. Ter foco e não se abater nos problemas que surge, é algo fundamental se você quer um ano diferente e cheio de conquistas, não só em um ano novo, mas para toda a vida.

Particularmente falando, 2014 foi um ano de desafios pra mim, todo amadurecimento que eu pensei que tinha não foi nada comparado no amadurecimento que eu obtive ao longo do ano, percebi que resolver certos problemas sozinho não é possível, que sempre devemos ter pessoas com quem contar. Reaprendi o valor de uma amizade verdadeira e a simplicidade e cumplicidade que ela tem. Percebi mais uma vez que a família é e sempre vai ser algo fundamental e de extrema importância na minha vida. Refleti e cheguei a conclusão de que o amor é um sentimento incrível e especial, mas nem sempre vai ser o mar de rosas que achamos que é. 2014 passou, mas as pessoas e suas dilemas, sentimentos, angustias e desafios ainda estão ai, aguardando para serem desbravados, 2015 chega com a promessa de melhora e que ela realmente venha. Mas para isso tudo acontecer, mais uma vez, só depende de você.

FELIZ ANO NOVO E QUE COMECE 2015!!

por Hélio Santos
Sociedade / outubro 26, 2014

Seja um cidadão consciente você também.

Mostra sua força Brasil.

E enfim estamos nele. Chegamos naquele momento onde todo mundo sabe o que é melhor, sabe o que deve ser feito e planejado. Todos somos “técnicos” e “especialistas” no assunto. Alguns são conservadores e ditam pelo mesmo de sempre, pois é nele que as coisas têm acontecido. Outros mais radicais buscam a mudança, inovação sem medo algum, se jogam em novas palavras e jeitos novos de se dizer o mesmo de sempre. Alguns outros mais cautelosos procuraram estudar afinco, saber detalhes, ficar procurando “pelo em ovo” e no fim, deixar passar tudo em branco e apenas se queixando tempo depois. Pois é, e assim caminhamos para mais um pleito.

Passamos pelo tão fatídico dia da eleição. No último dia 05 de Outubro e hoje no dia 26, acompanhamos mais uma “festa da democracia” brasileira. Nessa eleição me senti muito mais maduro na escolha do meu voto, senti que agi de plena consciência sem partir da opinião de terceiros, não me deixei ser coagido, seja por parentes, amigos, conhecidos, religiosos, etc. Foi uma questão de pura e total escolha minha e apenas minha. Coisa que deveria ser feita naturalmente, mas você brasileiro como eu, sabe que muitas vezes não é isso que fazemos. Nos deixamos levar, somos influenciados e coagidos por outras pessoas muitas vezes sem ao menos perceber, e quando acordamos já tarde demais. Me senti assim não última eleição municipal em 2012. Semanas após a votação fiquei avaliando os candidatos em que votei e cheguei a conclusão que me identifiquei apenas com as ideias de um candidato “então porque raios votou nos outros?” além de citados os motivos acima, acredito que fiz de maneira inconsciente a transferência de responsabilidade a outros. Mostrando que se meu voto fosse errado o voto de outras milhares de pessoas que também votaram no mesmo candidato também haveria sido errado e repreensões seriam evitadas. Eu sei, louco não é?

Ao longo do tempo aprendi a ser observador e ficar atento a maneira com que as pessoas expressam suas opiniões, e o que falei a pouco é a mais pura realidade brasileira. Nós cidadãos, nos deixamos levar muitas vezes por candidatos pomposos que falam bem, prometem mundos e fundos, por parentes e amigos que se identificam com certos candidatos e pensamos: “Se fulano vota nele é porque ele realmente deve ser bom”. Eu pensei assim por algum tempo, e vejo o quão isso foi prejudicial ao meu voto, a minha escolha e a minha cidadania. Não foi algo simples, perceber que em alguns casos eu praticamente havia jogado meu voto fora, mas felizmente eu percebi o quão equivocado fui, o quão alienado fui.

Depois disso tudo cheguei a conclusão que, se eu, possuindo acesso a informação, tenho capacidade de buscar essa informação muito mais fácil do que pessoas que vivem nas regiões mais isoladas e carentes do Brasil, ainda sim, mesmo tendo todo esse acesso, votei de maneira inconsciente, imagina as pessoas que não possuem esse acesso? O quão manipuláveis elas são e o quanto elas fazem do seu voto, uma moeda de troca totalmente desvalorizada. É uma dura realidade de um país que sonha com melhorias e mudanças. Um país com pessoas sofridas, que se dedicam ao máximo pelos seus, um país que esperava mais dos seus representantes.

Infelizmente essa uma realidade que demorará anos e anos para ser mudada, se é que um dia vai ser mudada. Mas, como bom brasileiro, não perco a esperança de um futuro melhor, de uma mudança maior e significativa. Por enquanto essa “utopia política” fica nos sonhos, no momento fica a iniciativa de buscar dentre as opções o melhor que temos, e assim, esperar e principalmente cobrar (que é outro detalhe que nós brasileiros não fazemos) os nossos representantes. Pois política por si só, não é apenas os engravatados que fazem, todos nós fazemos, e por assim ser, nós devemos buscar as mudanças e não esperá-las sentados enquanto as coisas acontecem em nossa volta.

Pois é, eleições são assim, complicadas, difíceis de entender, difíceis de serem interpretadas de uma forma clara por todos, mas será que deveria continuar a ser assim?
Nesse segundo turno das eleições presidências, que possamos ter maior consciência da nossa responsabilidade enquanto cidadãos dessa nação e buscar sempre o melhor para nós, nossa família e nossos semelhantes, se é de um Brasil justo que estamos atrás essa é a hora de tentá-lo fazer ser realidade, hoje, amanhã e cada dia mais.

por Hélio Santos

A vida Urbana • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPress • Desenvolvido por