Poemas/Poesias / janeiro 28, 2015

Máquina do tempo

Às vezes paro e penso:
Como seria voltar ao passado?
Mudar o que não pode ser mudado
Pensar o que não tinha pensado

E dai feito diferente
Faze-lo novo, faze-lo um novo futuro.
Um futuro em que eu veja um novo rumo, uma nova direção.

(divulgação/reprodução: Google)

(divulgação/reprodução: Google)

Mas será que isso é o certo a se fazer?
Será que escolheria a melhor opção?
Talvez essa seja a função do passado, fazer com que enxerguemos no futuro,
Erros que cometemos e que não cometeremos novamente como qualquer infortúnio.

Por isso meu querido, tal poder não é dado ao ser humano.
Que perante a um mundo tão grande, tão complexo se comporta como uma criança exploradora que mal toma consciência do brinquedo que lhe fora dado.
Sendo assim, não sabendo usa-lo.

Eis que nos resta aprender com os erros e acertos do passado, não comete-los no futuro.
Pois de uma forma ou de outra, essa maquina do tempo das nossas imaginações.
Essa que nos daria a liberdade de diferentes ações, sempre esteve conosco.
Escondida nesse crepito desejo de controle
Escondida no hoje.

por Hélio Santos
Sociedade / janeiro 26, 2015

A Maturidade assusta.

É aquele dia mesmo. Aquele que você conhece bem, quando não quer fazer nada. Você irá preferir sua cama quentinha e macia, do que ficar batendo perna por ai. Haverá dias em que vai preferir aquele churrasco em família ou com os amigos, do que aquela balada barulhenta com pessoas estranhas, com desejos e ideias estranhas. Haverá momentos em que curtir o silêncio vai ser mais prazeroso do que ouvir uma música alta. Haverá situações em que uma xícara de café, boa música e o som da chuva batendo na janela te darão uma paz e tranquilidade que você nunca pensou em ter.

Fonte: Divulgação Google.

(divulgação/reprodução: Google)

E o mais engraçado e assustador, é perceber que quando se chega a fazer algumas dessas coisas, você descobre que está mais velho e que finalmente tudo aquilo que seus pais cansavam de dizer e você achava que era apenas sermão começa a fazer mais sentido.Você percebe que a vida não é aquele mar de rosas que pensava na adolescência, começa a perceber o quanto as pessoas são individualistas e mesquinhas e reflete como podemos ser todos assim? Você ainda tem esperança e la no fundo acha que será capaz de mudar o mundo como pensava e imaginava quando criança. O que é bom, pois te dará animo e força para sempre seguir em frente e alcançar seus objetivos.

Tudo isso é conclusão de uma coisa: Maturidade. Quando se atinge  esse estágio meu amigo, você percebe que passou de adolescente, rebelde sem causa, a adulto responsável e sério. Não que ainda tenha esquecido ou ignorado a criança que foi um dia, pois vai leva-la para sempre com você, mas vai perceber que outras coisas são importantes e naturalmente suas convicções e desejos vão ser outros. Essa é a evolução natural do ser humano. As vezes isso assusta, pois não saber como você vai estar daqui 10, 15 anos é um pouco estranho e confuso, mas quem dirá e quem saberá como você vai ser, será somente você..

Apesar do medo e da insegurança dessa vida adulta, como já escultei algumas vezes “A vida é para frente e para o alto” e ignorar isto é ignorar a si mesmo. A maturidade não é simples, não é fácil de se ter, não é fácil de chegar até ela e muitos menos de mantê-la. Mas também não é impossível e se usada sabiamente te transformará em uma pessoa melhor.

por Hélio Santos
Poemas/Poesias / outubro 05, 2013

Riscos

 

Rir é correr o risco de parecer tolo.

Chorar é correr risco de parecer sentimental.

Estender a mão é correr o risco de se envolver.

Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.

Defender seus sonhos e ideias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas.

Amar é correr o risco de não ser correspondido.

Viver é correr o risco de morrer.

Confiar é correr o risco de se decepcionar.

Tentar é correr o risco de fracassar.

Mas os riscos devem ser corridos, porque o maio perigo é não arriscar nada.

A pessoa que não corre nenhum risco não faz nada, não tem nada e não é nada.

Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas elas não conseguem nada, não sentem, não mudam, não crescem, não ama, não vivem.

Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se da sua liberdade.

Somente a pessoa que corre riscos é livre.

 

Autor desconhecido.

 

tumblr_lhv8euaqmd1qggu39

 

(pra ser feliz com alguém é preciso correr riscos)

por Hélio Santos

A vida Urbana • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por