Sentimentos / agosto 10, 2015

Não faça promessas

Sim, para tristeza de todos eu voltei! \o/

Voltei com gás, disposição, entusiamo puro! Mentira, foi mais por falta do que fazer mesmo…

Mentira de novo, voltei porque deu saudades e vergonha na cara de escrever novamente no blog. Como vocês devem ter percebido (ou não), eu andei meio “sumido” aqui do blog, tipo… mais de dois meses. Mas como a fênix que renasce das cinzas, eis que eu renasci da minha preguiça e procrastinação e resolvi dar o ar de graça.

Até o fim da edição desse post eu não tinha a menor ideia do que escrever. Apenas achei que deveria ir escrevendo e ver depois o que ia sair. Não foi tudo no mesmo dia, foi um texto bem Frankenstein, cheio dos remendos, das pausas, de muita preguiça e falta de vontade. Foram bem uns 3 ou 4 dias pra terminar, talvez uma das postagens que mais demorei pra fazer. Não pelo conteúdo e sim pela disposição de fazê-lo.

Ultimamente ando muito assim, sem disposição pra certas coisas que tempos atrás eram prazerosas pra mim. Como malhar (isso é por falta de grana mesmo), desenhar, tocar violão, e escrever, que ultimamente era uma das coisas que me aliviavam do stress, nos últimos tempos, nem mesmo isso tem sido algo que faço. Pra falar a verdade não tenho feito nada. Nem mesmo o inglês que é algo que eu fiquei empolgado por muito tempo, ultimamente tem sido algo massante. Só trabalhando, ficando com a cabeça cheia, cansado, stressado, saio as vezes no fim de semana, encontro os meus amigos ou saio com minha família,  que tem sido uma das poucas coisas que tem sido bacana e que me sinto bem fazendo.

Maaaaas porém entretanto, todavia, as coisas que faço sozinho, coisas da minha rotina, ficaram de lado. Eu sei, puta papo depressivo do caramba. Mas, queria compartilhar isso, mesmo aqui, no lugar menos particular possível eu estou contando coisas particulares. Irônico não? Talvez, mas acredito que eu não seja o único a passar por essa situação, falar disso, pode ser bom para que outras pessoas possam falar também, refletir e tomar atitudes a respeito.

Preguiça acho que domina mesmo, acho que todo mundo tem aquele momento que não quer fazer nada, ou que as coisas que normalmente você faz ficam apenas…sem graça. E você só não tem vontade de fazer, ou está em busca de algo novo, que te traga um novo entusiasmo pra seguir em frente. Talvez descobrir é preciso, viver esses momentos ainda mais. Acho que estou começando a entender esse lance que escritores dizem sobre “bloqueio criativo”, ficar na ânsia de fazer algo novo, algo diferente e dai você se da conta que caiu na mesmice. E dai se pergunta: “Porque diabos eu estou fazendo isso?”. Ta aí uma pergunta que apenas cada um vai saber responder, pois os objetivos são diferentes, e o principio também.

Preguiçaaa

Preguiça…

O meu objetivo talvez esteja mudando, por isso essa preguiça, essa falta de vontade. Mas também acredito que só do fato de estar aqui, escrevendo esse texto sem pé nem cabeça escutando o cd Anacrônico da Pitty (que diga-se de passagem é na minha opinião um dos melhores dela) às 00:16 hrs de uma quinta-feira quente de inverno que mais parece verão, já dá indícios de que estou tentando sair dessa procrastinação toda sem sentido.

Hora de encerrar o texto fazendo promessas de mudanças onde tudo será novo lindo e belo! E com ideias utópicas de uma sociedade igualitária e justa para todos os cidadãos desse planta azul #sqn.

Hora de encerrar olhar a realidade, que nós nos desgastamos das coisas, das pessoas e isso é normal, não somos perfeitos, e isso acontece. O que muda nossa perpesctiva é a maneira que você lida com isso. Pegando essa “coisa” gasta e jogando fora, colando e remendando aqui e ali e depois tentando de novo, ou apenas seguindo em frente da melhor forma que puder.

Algo me diz que esse texto será alvo de várias releituras, que me fará relembrar de como é difícil se manter motivado, se manter disposto a fazer algo e não perder o “amor” por isso e simplesmente deixá-lo de lado. Escrever tem dessas, um amor que vai e volta. Um amor que as vezes te faz querer nem sair de casa e ficar agarradinho com ele pra todo o sempre, e por outras você não quer nem chegar perto pois está enjoado de ver aquela tela branca que deve ser preenchida com vária e várias palavras.

Já deveria ter terminado dois parágrafos atrás e estou no terceiro…Pitty obrigado pela companhia durante a composição do texto, seja sempre bem-vinda, me deixou mais focado, e que agora venham mais textos!

Puts…ainda consegui terminar com promessa de mudança (não perco essa mania…).

por Hélio Santos

A vida Urbana • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por